Blog

autismo-sono-dormir-2.jpg
28/abr/2021

A falta de uma boa noite de sono pode afetar não apenas a criança, mas todos em sua família. E dormir melhor vai aprimorar a qualidade de vida da criança com TEA. Confira algumas dicas que podem ajudar:

– A atividade física é uma boa forma de gastar energia. Prefira o período da manhã ou o início da tarde.

– Mantenha o quarto o mais fresco, escuro e silencioso possível para evitar estímulos sensoriais que possam dificultar o sono. Se possível, use cortinas que escureçam o quarto; faça o seu melhor para manter o som externo mínimo.

– Estabeleça uma rotina na hora de dormir que comece pelo menos uma hora antes do tempo. Desligue todos os componentes eletrônicos e forneça uma rotina clara e repetitiva que inclua vestir o pijama, escovar os dentes, ler juntos ou o que for mais relaxante para seu filho (e para si).

– Algumas crianças respondem bem a um banho quente e lanche antes de dormir. Muitas crianças com autismo estão ligadas a determinados brinquedos, e estes podem ser incorporados à rotina. Mantenha a rotina mesmo durante as férias e aos fins-de-semana, se possível.

– Trabalhe com a criança para ajudá-la a adormecer sozinha no quarto. Se esta é uma situação já em curso, pode ter que realizar este processo muito lentamente, começando por se sentar do outro lado do quarto e lentamente afastar-se até estar realmente fora do quarto.

– Determine quais eventos são calmantes e quais são estimulantes para a criança. Os eventos calmantes devem fazer parte dos hábitos da rotina da hora de dormir. Eventos estimulantes devem ser transferidos para mais cedo na noite. Por exemplo, se a criança acha o banho estimulante ao invés de relaxante, transfira este evento para mais cedo na noite.
A temperatura do ambiente deve ser sempre confortável, pois locais excessivamente quentes ou frios podem dificultar os fenômenos cerebrais que desencadeiam e mantêm o sono noturno.

Um médico especialista em Medicina do Sono é fundamental para o acompanhamento.


clinica-otomax-sono.jpg
22/dez/2020

O sono é uma das atividades de grande importância para colaborar na qualidade de vida de um indivíduo. Sem ele, fadiga, irritabilidade e até problemas cardíacos podem ser desenvolvidos. Por conta dos danos causados à saúde em decorrência da privação das horas dormidas, surgiu uma nova especialidade: a medicina do sono.

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), aproximadamente 40% da população mundial possui alguma queixa quanto à qualidade do sono. Considerando que a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono possui mais de 100 transtornos listados, é importante que o paciente procure um médico especializado em medicina do sono para obter um diagnóstico preciso.

Nos últimos anos, houve uma explosão no setor de saúde e bem-estar, à medida que mais consumidores demonstram disposição para investir em sofisticados dispositivos vestíveis e equipamentos de ginástica com tecnologia. Cada vez mais pessoas estão tentando entender como otimizar nutrição, hábitos de exercício, recuperação, sono, saúde mental e gerenciamento de estresse.

Gerenciadores e otimização do sono

Mesmo com as inovações em tecnologia vestível e o crescimento da medicina personalizada, os capitalistas de risco estão notando a oportunidade de mercado no segmento do sono.

Os últimos dois anos trouxeram consigo enormes quantidades de capital para o setor. Empresas como Eight Sleep, Purple, Leesa, Casper e outras estão vendo grandes aportes de capital para ajudar as pessoas a resolver muitos dos problemas comuns do sono, resultando em avaliações empresariais de bilhões de dólares.

O que costumava ser uma indústria que se concentrava na altura ou no posicionamento do colchão evoluiu para uma em que biometria e medição de dados ditam as mudanças na temperatura e no conforto do colchão. Embora seja fácil presumir que há pouco espaço para melhorias no mercado de colchões, estimado em US$ 27,5 bilhões, muitos investidores veem muito mais oportunidades para ofertas expandidas e produtos complementares.

Na Clínica Otomax, em Fortaleza, você encontra médicos especializados em Medicina do Sono que ajudarão você a entender melhor as suas demandas de saúde. Quer saber mais? Fale conosco!


04/abr/2018

apneia do sonoConhecida como apneia do sono. O ato de roncar pode, sim, ser um dos sinais de que você está sofrendo de Apneia Obstrutiva do Sono

Paradas da respiração durante o sono caracterizam a apneia do sono. Podendo ser do tipo obstrutiva, central ou mista. Existe um exame que poderá fazer esta diferenciação: é a POLISSONOGRAFIA.

Este exame, como o próprio nome sugere, é o registro de diversas variáveis do organismo do paciente, com a finalidade de diagnosticar distúrbios relacionados ao sono.

Mas repare: nem todo mundo que ronca tem apneia do sono! Isso é importante a gente frisar, pois podemos impedir que um paciente RONCOPATA (aquele que apenas ronca) evolua para uma síndrome mais complexa, conhecida por SÍNDROME DA APNEIA OBSTRUTIVA DO SONO (apneia do sono).

Então, não fique na dúvida! Procure já seu médico e descubra se você tem apneia ou não e inicie o quanto antes um tratamento adequado, afinal, dormir bem é qualidade de vida!

 

Dr. Franzé Barros de Oliveira
CRM 11.793 CE


logo-branca

Endereço: R. Des. Lauro Nogueira, 1500 - Papicu, Salas 1813 a 1816 / Fortaleza - CE, 60175-055

Entre em contato

85 2180-9880

Marque sua consulta

Otomax ® - 2022 - Todos os direitos reservados

Diretor Clínico: Dr. Franzé Barros de Oliveira (CRM 11793)